Por uma Ordem Livre

Debate em Maceió na próxima sexta-feira

Comentar
Sda

Na próxima sexta-feira, dia 21 de março, o Instituto Liberal do Nordeste (ILIN) sediará em Maceió a 34ª edição do “IMIL na Sala de Aula”. Realizado em parceria com o Instituto Millenium, o evento levará à cidade um debate sobre “Democracia e Desenvolvimento”, colocando jovens estudantes em contato com especialistas liberais.

Nesse evento, palestrarão Diogo Costa (Presidente do Instituto Ordem Livre), Gabriela Benício (Vice-presidente do ILIN) e Rafael Saldanha (Vice-diretor jurídico do ILIN).

O evento começa às 19 horas, no auditório da Faculdade Integrada Tiradentes (FITS).

Para fazer a sua inscrição no IMIL na Sala de Aula, clique aqui.

Palestras do Liberdade na Estrada 2013 disponíveis online

Comentar
Lne_videos

Já estão disponíveis no canal do Instituto Ordem Livre no Youtube algumas das palestras do Liberdade na Estrada 2013.

Para quem perdeu o LNE 2013 ou gostaria de rever os melhores momentos, seguem abaixo as palestras já disponíveis:

07/10 – Porto Alegre (UFRGS): Cristiano Rosa de Carvalho, Diogo Costa e Igor Morais

15/10 – Curitiba (Unipositivo): Fábio Ostermann, Paulo Eduardo Martins e Ronald Hillbrecht

16/10 – São Paulo (USP): Anthony Ling, Fábio Ostermann e Joel Pinheiro da Fonseca

17/10 – Campinas (Mackenzie): Fábio Ostermann, Filipe Celeti e Rafael Hotz Arroyo

28/10 – Vitória (FUCAPE): Bruno Garschagen, Cristiano Costa e Fábio Ostermann

30/10 – Maceió (FITS): Adriano Gianturco, Adrualdo Catão e Fábio Ostermann

 

Em breve finalizaremos a edição e postagem das demais palestras filmadas. Fique ligado em nossa página no Facebook, Twitter e canal no Youtube.

Liberdade na Estrada 2013: o que os brasileiros fariam se fossem presidentes por um dia

Comentar
Lne_2013

Ocorreu na última quinta-feira (dia 21/11) em Niterói-RJ o evento final do Liberdade na Estrada 2013. Ao longo dos meses de outubro e novembro, o Instituto Ordem Livre reuniu 29 intelectuais de destaque provenientes de diversas áreas para trazerem sua perspectiva sobre os principais desafios que se colocam à frente do desenvolvimento do Brasil. Tendo por mote a pergunta “O que você faria se fosse presidente por um dia?” realizamos 20 eventos em 16 das principais cidades brasileiras, localizados em quatro das cinco regiões do país.

A receptividade do público foi em geral excelente. Tivemos ótimos debates entre palestrantes e participantes, proporcionando uma produtiva reflexão sobre o papel do Estado (que tem na figura do Presidente sua figura mais emblemática e representativa) em nossas vidas. A média de público dos 20 eventos foi de cerca de 100 pessoas.

Nas palestras foram apresentados, por meio da análise das instituições políticas, econômicas e culturais do nosso país, rumos alternativos para o Brasil atingir o desenvolvimento e a prosperidade que vem sendo prometidos há décadas.

Tendo por objetivo, desde 2009, levar à academia brasileira ideias amparadas nos princípios da liberdade, o Liberdade na Estrada cumpriu mais uma vez com seu propósito. O grande sucesso desta 5ª edição do projeto não seria o mesmo não fosse o apoio ativo dos grupos locais em cada cidade. Nesse ponto, cabe destacar o crescimento e a efetividade do Estudantes Pela Liberdade. O Ordem Livre tem muito orgulho de ter servido como uma espécie de incubadora para o EPL e é muito gratificante ver hoje a abrangência do seu trabalho e a quantidade de pessoas sensacionais envolvidas em suas atividades. Nenhuma instituição é mais representativa do notável crescimento do movimento pela liberdade no Brasil do que o EPL, e isso ficou claro ao longo de nossa jornada pelo país.

Em breve publicaremos os vídeos das palestras por meio do canal do Instituto Ordem Livre no Youtube.

Confira algumas fotos dos nossos 20 eventos Brasil afora. E, abaixo, os locais por onde passamos e os palestrantes que fizeram do Liberdade na Estrada 2013 um sucesso.

07/10 – Porto Alegre (UFRGS): Cristiano Rosa de Carvalho, Diogo Costa e Igor Morais

08/10 – Porto Alegre (ESPM): Diogo Costa, Fábio Ostermann e Ronald Hillbrecht

10/10 – Florianópolis (UFSC): Ayrton de Mendonça Teixeira, Diogo Costa e Fábio Ostermann

14/10 – Blumenau (FURB): Diogo Costa, Fábio Ostermann e Ronald Hillbrecht

15/10 – Curitiba (Unipositivo): Fábio Ostermann, Paulo Eduardo Martins e Ronald Hillbrecht

16/10 – São Paulo (USP): Anthony Ling, Fábio Ostermann e Joel Pinheiro da Fonseca

17/10 – Campinas (Mackenzie): Fábio Ostermann, Filipe Celeti e Rafael Hotz Arroyo

25/10 – Belo Horizonte (Ibmec): Diogo Costa, Fábio Ostermann, Mateus Simões de Almeida e Vinicios Leôncio

28/10 – Vitória (FUCAPE): Bruno Garschagen, Cristiano Costa e Fábio Ostermann

30/10 – Maceió (FITS): Adriano Gianturco, Adrualdo Catão e Fábio Ostermann

31/10 - Maceió (UNINASSAU): Adriano Gianturco, Eduardo Lyra e Fábio Ostermann

04/11 - Recife (UFPE): Erick Vasconcelos e Fábio Ostermann

05/11 - Recife (IFPE): Adrualdo Catão, Erick Vasconcelos e Fábio Ostermann

06/11 - Campina Grande (UEPB): Erick Vasconcelos, Fábio Ostermann e Taiguara Fernandes de Sousa

07/11 - Natal (UFRN): Erick Vasconcelos, Fábio Ostermann e Vladimir da Rocha Franca

12/11 - Fortaleza (Unifor): Fábio Ostermann, Raduán Melo e Rodrigo Saraiva Marinho

12/11 - Fortaleza (UFC): Fábio Ostermann, Rafael Saldanha e Rodrigo Saraiva Marinho

13/11 - Brasília (UnB): Adolfo Sachsida, Diogo Coelho e Fábio Ostermann

14/11 - Goiânia (UFG): Adolfo Sachsida, Adriano Paranaíba e Fábio Ostermann

21/11 - Niterói (UFF): Alex Catharino, Bernardo Santoro e Fábio Ostermann

Bem-vindo ao novo Instituto Ordem Livre

Comentar
Olbn

"Durante décadas, a esquerda conseguiu sustentar uma certa hegemonia no campo cultural nacional", escreve o Prof. Vladimir Safatle. "Mesmo na época da ditadura", diz, "tal hegemonia não se quebrou" e "com o fim da ditadura, a força cultural da esquerda permaneceu".

Até que algo começou a mudar. O Século XXI está trazendo "uma situação nova no Brasil" que Safatle chama de "a perda de hegemonia" - uma mudança cultural que o incomoda, mas que ele admite não compreender.

O Ordem Livre consegue compreender o que está acontecendo porque fazemos parte da mudança. Em 2007, o cientista político Diogo Costa criou dentro do Cato Institute um projeto para divulgar em língua portuguesa as ideias de liberdade que estavam conquistando mentes e corações por todo o mundo. O início do século via o liberalismo brotar sobre os túmulos ditatoriais da Europa e reformar instituições autocráticas no leste asiático. Mas o Brasil ainda se escondia debaixo de uma hegemonia cultural estatista. A chama das ideias liberais só não se apagara por completo graças ao idealismo valente de alguns poucos intelectuais trabalhando isoladamente.

A missão do Ordem Livre era mudar a conversa intelectual no Brasil e outros países de língua portuguesa. Partimos da parceria com organizações estrangeiras que vinham promovendo com sucesso a causa da liberdade humana. Começamos a traduzir o melhor da literatura liberal, a criar conteúdo próprio e original, e a trabalhar com algumas das mentes mais talentosas do Brasil, Portugal e até Moçambique. Atravessamos o país todos os anos desde 2009 levando as palestras do Liberdade na Estrada para dentro das principais universidades públicas e privadas do Brasil. Temos reunido a nova geração de liberais brasileiros em nossos Seminários de Verão e escolhido alguns dos mais promissores jovens para nosso programa de estágio em Washington.

Hoje não estamos mais sozinhos. Há um vibrante e crescente movimento liberal com organizações ativas - novas ou renovadas - que têm dado alcance inédito às ideias de liberdade em solo brasileiro. Temos orgulho das amizades e parcerias que formamos ao longo da nossa breve história. Muita coisa mudou nesses últimos seis anos. Em 2009, entramos para o time da Atlas Economic Research Foundation e agora, em 2013, estamos prontos para caminharmos de forma independente. Não paramos de mudar para continuar mudando o Brasil.

Uma coisa não mudou: nossa insistência em não nos curvarmos para esquerda ou direita, mas em mantermos nossa confiança na liberdade individual, na paz e no livre mercado. Se você compartilha desses valores, você também faz parte do Instituto Ordem Livre. Se não, aproveite para conhecer um pouco mais as ideias que estão conquistando pessoas de todas as crenças, cores e culturas.

Nessa nova fase, contamos mais do que nunca com sua participação, contribuição e engajamento. É assim que as novas ideias de liberdade florescerão num ambiente cultural esgotado por décadas de hegemonia retrasada. Afinal, Ludwig von Mises já havia antecipado uma resposta à dúvida de Safatle: “ideias, somente ideias, podem iluminar a escuridão”.

Seja bem-vindo ao novo Instituto Ordem Livre!

Equipe Ordem Livre

Pela abolição da publicidade oficial

Comentar

Uma das coisas inexplicáveis na cultura política brasileira é a normalidade com que assistimos a um comercial de 30 segundos de um governo qualquer em horário nobre. Os comerciais são exemplos óbvios de como políticos e a turma com quem trocam favores podem se aliar para utilizar o dinheiro do pagador de impostos em seu próprio favor, como se não fosse nada.

Com a publicidade oficial, ganham os políticos; ganham os partidos, seus funcionários e militantes; também ganham as agências de publicidade, as televisões, os jornais, as revistas e os sites. Juntos, eles participam de uma transação da qual todos se beneficiam, mas raramente aquela para quem sempre sobra a conta: a população.

Ao contribuinte, resta assistir. Literalmente.

Em artigo para a revista Época (aqui, para assinantes), o jornalista Eugênio Bucci relata o crescimento das verbas para publicidade oficial estadual e municipal em São Paulo. No município, os gastos passaram de R$ 12 milhões em 2005 para R$ 110 milhões em 2010. Já o governo estadual gastou R$ 33,3 milhões em 2003 e R$ 266,6 milhões em 2010. Para provar que os gastos na autopromoção dos políticos desconhecem barreiras partidárias, a conta publicitária do governo federal, com seus ministérios e estatais, chegou a R$ 1,67 bilhão em 2009.

Bucci relata o caso de Gilberto Kassab, do Partido Social Democrático, e a publicidade na cidade de São Paulo:

Recentemente, a prefeitura de São Paulo, que manda no maior orçamento municipal do país, começou a despejar na TV local seus filmetes de otimismo natalino. O slogan é "antes não tinha, agora tem". Já viu, né? O pobre telespectador paulistano olha aquilo, sai na rua e acha que endoidou. Onde está a cidade que o prefeito promete na TV? Na megalópole publicitária, aparece uma jovem deslumbrante, feliz, que nos conduz a postos de saúde aprazíveis como o nirvana. Na metrópole-cenário em que ela faz deslizar seus encantos e seus sorrisos, fulguram escolas, a luz é farta e a água abundante. A musa kassabista passeia em ruas limpíssimas. É o céu na terra da garoa. Nessa toada ficcional, quase insultuosa, o município paulistano saltou de um patamar de R$ 12 milhões gastos com publicidade governista, em 2005, para a estratosfera de R$ 110 milhões em 2010. Num intervalo de cinco anos, o volume foi multiplicado por quase dez. Com o chapéu alheio, por certo.

A prefeitura de São Paulo foi um pouco além da prática mais comum nas propagandas oficiais. Adotou o slogan de sua campanha eleitoral de 2008, como slogan da campanha publicitária da prefeitura. O “antes não tinha, agora tem” faz a fusão definitiva entre a propaganda eleitoral regular e a propaganda eleitoral fora de época, exibida travestida de publicidade. Isso tudo, vindo do presidente do partido da “transparência, do respeito ao cidadão contribuinte e do livre mercado”.

Independentemente da concepção de cada um sobre o papel do governo na sociedade, é importante notar que publicamente nenhuma força política razoavelmente democrática advoga a apropriação de recursos privados para que o governo faça campanha de si mesmo. Entretanto, a festa do financiamento de propaganda política disfarçada de anúncios de utilidade pública, feita com dinheiro público, serve aos políticos de todos os partidos. Questionados sobre a prática, políticos e militantes devolvem a indagação: eu faço, mas quem não faz?

A Constituição Federal permite a publicidade com ênfase educativa, informativa ou de orientação social sobre atos governamentais. O artigo constitucional, escrito com as boas intenções de uma campanha educativa, deixa a porta aberta para que uma prefeitura gaste milhões para informar que determinado bairro não tinha metrô, mas agora tem. Para que o governo federal informe aos cidadãos que o Brasil é um país de todos. Para que alguma estatal, que atua sem concorrentes no mercado, invista milhões em um time de futebol.

No país dos meus sonhos, os bilhões da publicidade oficial permaneceriam no bolso dos pagadores de impostos. Em um país não tão liberal, porém mais decente do que o de hoje, uma parte dessa dinheiro permaneceria no bolso dos cidadãos e a outra parte seria mais bem empregada. Não há como discordar de Pedro Sette-Câmara: a abolição de toda propaganda estatal deve ser uma causa prioritária para o movimento liberal brasileiro.

Liberdade na Estrada 2013

Comentar
Lne

Começa amanhã, em Porto Alegre, a 5ª edição do Liberdade na Estrada, projeto do Instituto Ordem Livre em parceria com o Estudantes Pela Liberdade que leva às principais cidades brasileiras debates sobre os grandes desafios que se colocam frente ao futuro do Brasil.

Ao longo de pouco mais de um mês, realizaremos 22 eventos em 14 estados brasileiros tendo por mote a pergunta "O que você faria se fosse Presidente por um dia?".

Confira abaixo as datas e cidades abaixo. Participe!

07/10 - Porto Alegre (UFRGS)
08/10 - Porto Alegre (ESPM)
10/10 - Florianópolis (UFSC)
14/10 - Blumenau (FURB)
15/10 - Curitiba (Unipositivo)
16/10 - São Paulo (USP)
17/10 - Campinas (Mackenzie)
22/10 - Rio de Janeiro (a definir)
23/10 - Rio de Janeiro (a definir)
24/10 - Belo Horizonte (FUMEC)
25/10 - Belo Horizonte (Ibmec)
28/10 - Vitória (FUCAPE)
30/10 - Maceió (FITS)
31/10 - Maceió (UNINASSAU)
04/11 - Recife (UFPE)
05/11 - Caruaru (UFPE)
06/11 - Campina Grande (UEPB)
07/11 - Natal (UFRN)
12/11 - Fortaleza (Unifor)
12/11 - Fortaleza (UFC)
13/11 - Brasília (UnB)
14/11 - Goiânia (UFG)

Maiores informações em http://www.liberdadenaestrada.com.br/

Em breve divulgaremos maiores detalhes sobre os eventos. Confira abaixo o cartaz do evento inaugural, que ocorre dia 07/10 (segunda-feira), no auditório da FCE/UFRGS, em Porto Alegre:

LNE POA