A importância da desigualdade de renda

De maneira recorrente, os opositores da sociedade aberta criticam a concentração de renda gerada pelo capitalismo. Os opositores do capitalismo sustentam que sistemas socialistas são muito mais justos, pois distribuem a renda de uma maneira mais equânime pela sociedade.

O parágrafo acima embute duas afirmações: 1) o capitalismo concentra renda, enquanto o socialismo distribui renda; e 2) concentrar renda é ruim, logo o capitalismo é ruim e o socialismo é bom. Ambas as afirmações são falsas, contudo são aceitas pela maioria das pessoas. Não existe absolutamente nada no capitalismo que leve a uma concentração de renda. Sistemas capitalistas só concentram renda quando o estado se alia aos trabalhadores e empresários de determinados setores para realizar política industrial. Aliás, a ideia de política industrial é uma ideia de distribuição de renda entre setores da economia.

É estranho que os defensores de políticas industriais ativas não se atentem que, na maior parte das vezes, isso implica a transferência de renda de setores pobres para setores ricos da sociedade. No capitalismo puro, onde o estado não tenta intervir na alocação de recursos do setor privado, não há razão alguma para ocorrer concentração de renda na economia. Isso se deve a algo conhecido como produtividade marginal. Em outras palavras, à medida que um setor vai ficando mais rico, a produtividade marginal do investimento naquele setor vai decrescendo. Isso obriga os empresários a investirem em outros setores e a distribuirem melhor a renda. Mesmo a nível individual isso é verdade. Por exemplo, a medida que um indivíduo vai ficando mais rico é natural que ele não queira trabalhar tanto. Ao contrário, prefere gastar mais tempo com horas de lazer. Já os indivíduos pobres, sacrificam ampla parcela de seu tempo trabalhando duro. Esses movimentos em conjunto diminuem a concentração de renda.

Outro detalhe: dizer que um sistema socialista distribui renda é falso. Num sistema socialista, a renda está altamente concentrada na mão do estado, e quem domina o estado (a burocracia central) domina também o uso desses recursos. Assim, sistemas socialistas são muito mais concentradores de renda que regimes capitalistas.

Quanto à afirmação de que concentrar renda é algo de ruim, devemos ter um pouco de cuidado. Concentrar renda é ruim quando a concentração se dá por meio de mecanismos externos ao mercado (governo). Esse tipo de concentração de renda não beneficia os melhores, mas apenas os amigos do governo. Quando a concentração de renda ocorre apenas por mecanismos internos de mercado, isso implica que os mais capazes de satisfazer o mercado recebem compensações mais altas do que os incapazes de atender tal demanda. Mas note que tal concentração de renda só dura enquanto os melhores continuarem sendo os melhores. Caso eles relaxem, o próprio mercado diminui a sua remuneração, reduzindo a desigualdade de renda.

Assim, a desigualdade de renda é resultado do prêmio recebido pelos melhores em seu esforço de atender ao mercado. Ou seja, quando um sistema premia os melhores, a desigualdade de renda aparece. Acabar com a desigualdade de renda é o mesmo que retirar o prêmio dos melhores, ou simplesmente premiar os piores. Não parece razoável assumir que um sistema que premia os piores leve a sociedade a um bom nível de bem-estar no futuro.

Por fim, devemos lembrar que o importante para uma sociedade composta por indivíduos não invejosos é o nível de bem-estar de cada um, e não a situação relativa. A desigualdade de renda é uma medida relativa e, como tal, tem pouca habilidade para medir o bem-estar da sociedade. De maneira simples, pouco importa que a renda esteja concentrada na mão de poucos se o nível de bem-estar dos indivíduos pobres é extremamente alto. Se a parcela pobre da população desfruta de um alto nível de bem-estar e tem acesso a diversas oportunidades, então qual é o problema dos ricos serem muito ricos?