A utopia política é o ópio dos intelectuais (parte 3)

P1070460

O projeto de perfeição política que eu citei no final do texto anterior é alicerçado numa utopia revolucionária que sustenta um projeto de construção futura de uma sociedade ideal e perfeita. Os utópicos consideram legítimo, sob as perspectivas política e moral, utilizar todos os meios e recursos necessários, incluindo a violência, para realizar este projeto. Só assim, acreditam, será possível atingir a plenitude da felicidade, do bem-estar, do progresso, da satisfação dos desejos, e o fim de todos os sofrimentos e necessidades insatisfeitas, ou seja, um estado ideal de perfeição.

A crença de que a política é o instrumento mais adequado para perseguir o estágio ideal de perfeição, e assim com poder para redimir a natureza humana de suas falhas que inviabilizariam o projeto, parte da hipótese utópica segundo a qual todas as questões genuínas (como a busca pela sociedade perfeita do futuro) têm apenas uma resposta correta. Isaiah Berlin observou que o argumento utópico se desenvolvia no sentido de que a inexistência de uma única resposta correta significaria que todas as questões apresentadas não eram genuínas. De forma complementar, era fundamental que todos os fundamentos da resposta correta fossem verdadeiros porque todas as outras respostas possíveis se baseavam numa falsidade.[1]

Essa estrutura de pensamento permite converter a utopia política num modelo teórico ficticiamente perfeito que não admite contestação porque qualquer crítica aos seus fundamentos é refutada com a acusação de que o crítico não formulou uma questão genuína e, por isso, não alcançaria a única resposta correta existente. A defesa da ideia não se dá mediante a força intrínseca dos seus fundamentos, mas por uma forma peculiar de reacionarismo, que tenta destruir seus críticos mediante a desqualificação sistemática dos argumentos contrários, não pelo que apresentam, mas sim pelo que não expõem, em resumo, pela acusação da inexistência de uma questão genuína.

A ideia do tempo na utopia política é bastante peculiar e importante. Quando menciono que o projeto de perfeição é um projeto de futuro é porque a promessa faz parte da estrutura retórica e da necessidade de manter o objetivo final em progresso, e não efetivamente sendo realizado, mesmo que gradualmente. Ao ver a si mesma como a realização da perfeição, a utopia política funciona como se sua existência como ideia prescindisse de uma realização material que efetivamente trouxesse a felicidade aos indivíduos. Realizar o projeto extinguiria a utopia e, por sua vez, aboliria aquele tipo de poder extremamente concentrado da elite política revolucionária. Ou seja, realizar a utopia significaria o seu próprio fim e, por consequência, o fim dos seus artífices. E não podemos esperar que os agentes da utopia atuem de forma consciente para extinguir aquilo que lhes garante e preserva a existência.

A permanência no tempo da promessa utópica permite que o poder central tenha controle sobre os acontecimentos, direcionando-os, e, principalmente, se mantenha no comando de todos os procedimentos e processos desse <>work in progress. Em sua tese de doutorado sobre a política de perfeição, na qual estuda Isaiah Berlin e Edmund Burke, o professor e colunista da Folha de S. Paulo, João Pereira Coutinho, enquadra a utopia como uma realidade estática que prescinde do futuro porque "ela própria, na sua intocável perfeição, concilia o passado, o presente e o futuro. A utopia não deseja o melhor possível porque ela própria é, desde logo, o melhor e opossível".[2]

Esse tipo de mentalidade se retroalimenta na sua não-realização, o que estabelece, finalmente, um paradoxo extremo; a retórica política utópica é fundamentada na transformação prática e efetiva do mundo de forma a maximizar e distribuir os benefícios e privilégios a cada um dos indivíduos, mas a sua realização, porém, converteria a utopia em qualquer outra coisa que não ela própria, o que faria ruir os fundamentos estruturais intelectuais e expor aquilo o que originariamente é: um poderoso instrumento de ilusão, fraude e falsificação.

 

Notas

[1] Isaiah Berlin, «The Decline of Utopian Ideas in the West,» in The Crooked Timber of Humanity, 24.

[2] João Pereira Coutinho, «Política e Perfeição: Um Estudo sobre o Pluralismo de Edmund Burke e Isaiah Berlin,» (Tese de Doutoramento, Universidade Católica Portuguesa, 2008), 272.

 

* Publicado originalmente em 14/09/2011.