Dinheiro público e os legados dos eventos esportivos

O legado que ficará para a população costuma ser a justificativa dos políticos e demais interessados para a aplicação de volumes impressionantes de dinheiro público em eventos que movimentam bilhões.

Em 2009, o então presidente Lula afirmou que não via os o dinheiro público que seria despejado na Copa do Mundo e nas Olimpíadas como "gastos", mas sim como "investimentos".

Mas o que dizer de alguns "investimentos" de dinheiro público que deixam "legados" duvidosos?

A Empresa Olímpica Municipal do Rio de Janeiro anunciou que vai demolir o Velódromo Municipal, construído especialmente para os Jogos Pan-americanos de 2007.

O Velódromo, um dos “legados do Pan”, custou 14 milhões de reais, pagos inteiramente com dinheiro público – 13 milhões do Governo Federal e 1 milhão da Prefeitura do Rio – será demolido apenas 5 anos após a inauguração por não atender os padrões exigidos para as Olimpíadas.

Segundo a matéria do portal IG, o Velódromo tem uma série de problemas que impedem a sua utilização nos Jogos Olímpicos, como duas pilastras centrais que bloqueiam a visão dos juízes em alguns pontos e a inclinação e curvatura da pista que comprometeriam a segurança dos atletas.

Leonardo Gryner, diretor do Comitê Organizador do Rio 2016, disse que quando a pista foi construída para o Pan 2007, a opção foi por fazer uma pista permanente, em decisão conjunta entre Governo Federal, prefeitura do Rio e a UCI (União Ciclística Internacional), para ficar como legado aos atletas, mas que não houve tempo de construí-la de acordo com as especificações olímpicas.

"Os atletas do Pan tem um padrão esportivo um pouco mais baixo, andam numa velocidade mais baixa e aí o velódromo comportava sem problema. Para um nível olímpico, em que as velocidades são muito altas, ele não apresenta os requisitos de segurança necessários para os atletas", disse Gryner, à Rede Globo.

Nos próximos 10 ou 15 anos, o Brasil será um campo fértil para quem desejar testar a idéia de que o investimento público em grandes eventos é justificável pelo legado que deixa para os habitantes de uma determinada região. Por enquanto, o governo ainda não sabe quanto será o "investimento" total de dinheiro público consumido pela Copa do Mundo e pelas Olímpiadas do Rio.

Pelo o que se vê nos "legados" do Pan, eu apostaria em um futuro com mais "investimentos" com cara de desperdício, e mais demolições.