Governo de Hugo Chávez sobre o Prêmio Milton Friedman

O Ministério do Poder Popular para a Comunicação e a Informação da Venezuela se pronunciou sobre o Prêmio Milton Friedman 2008, oferecido para o líder estudantil venezuelano Yon Goicoechea (veja entrevista aqui). Como não devem ter encontrado meios de atacar a reputação do Cato Institute diretamente, a solução foi amaldiçoar o dinheiro. "Petrolera Exxon Mobil financió "premio" a estudiante opositor venezuelano" é o título da matéria. Não que eu me importaria se o Cato recebesse uma ajuda extra da Exxon Mobil, mas a verdade é que a companhia simplesmente não financia nossa organização nem contribuiu para os 500 mil dólares do prêmio. A mentira ainda consegue ser diluída pelas difamações no corpo da matéria, onde Eva Golinger diz que essa é "uma maneira de filtrar o dinheiro através de instituições supostamente limpas" para "desestabilizar governos na América Latina". E que o dinheiro provém do "sangue de milhões de latinoamericanos". O governo venezuelano consegue ser extremista até na auto-ridicularização.

Yon Goicoechea

Yon Goicoechea, vencedor do Prêmio Milton Friedman 2008.