Honduras ainda isolada pela imprensa

A imprensa brasileira continua omitindo o apoio da população hondurenha ao novo governo do país. Com exceção do Reinaldo Azevedo em seu blog, que postou sobre as manifestações contra Zelaya depois de nosso blog, os principais sites de notícias do país (e do mundo) continuam apresentando um cenário incompleto do que está acontecendo no país.

Além de não noticiar o óbvio apoio popular do novo governo, a imprensa ainda dá a entender que a população está contra os "golpistas". Na matéria em que informa a suspensão de empréstimos do Banco Mundial a Honduras, o G1 mostra uma foto com a pichação "Mel el pueblo está con vos hasta el final". Seria muito mais fácil se tivessem divulgado qualquer foto dos principais jornais do país. Todas mostram a multidão contra Zelaya e a favor da constituição hondurenha que, até agora, ninguém demonstrou ter sido violada pelo judiciário e o legislativo na deposição de Zelaya e na instauração do novo governo de Micheletti.

Outra matéria do G1 contribui para a distorção das notícias:

Mas, os últimos eventos em Tegucigalpa, com centenas de manifestantes gritando o nome do presidente deposto, provaram que ele ainda tem partidários. "Ele é o presidente de Honduras, democraticamente eleito. Ele foi sequestrado por criminosos", afirmou Paulina, professora primária, enquanto insultava os soldados que ocupam o palácio presidencial.

Se a demonstração pró-Zelaya teve centenas de manifestantes, a demonstração contra Zelaya chegou aos milhares, como este post anterior deixa claro.

Este não é um blog de notícias, muito menos um blog de apoio a militares de onde quer que sejam, mas, diante do silêncio da grande mídia, mostrar o outro lado da história me parece um dever. Se a ONU, a OEA, e outros governos continuarem apoiando a restituição de Zelaya contra o judiciário, o legislativo e a vontade da aparente maioria da população hondurenha, a crise em Honduras poderá enveredar pelo pior dos caminhos, e se tornar um conflito entre a direita armada e a esquerda autoritária.

Quem quiser acompanhar a situação, sugiro seguir o jornal de Honduras, La Prensa, no twitter, além de conferir seu website.

p.s. A capa da Folha de hoje traz foto dos manifestantes sob o título "ONU condena golpe em Honduras", mas a reduz a significância de apenas um "ato público de apoio ao novo governo".