O autoritarismo vem em ondas

Esqueçam o novo homem. A próxima onda de autoritarismo virá para proteger os seus filhos. Pelo menos essa é a desculpa padrão utilizada quando políticos retiram um pouco mais da sua liberdade de viver como deseja e lhe obrigam a viver como eles desejam que você viva.

E como você anda tão ocupado, por que não entregar a criação dos seus filhos ao deputado José Mentor (PT-SP) que deseja banir da televisão brasileira as transmissões de “lutas violentas”? Ou então ao deputado Rui Falcão (PT-SP) que pretende restringir a publicidade de alimentos considerados não saudáveis?

Talvez você prefira ir mais longe. O deputado Alex Manente (PPS-SP), por exemplo, deseja proibir a venda de alimentos com brinquedos ou brindes.

Não se sabe sobre as escolhas dos ilustres deputados para a criação dos próprios filhos. Devem ser pais nota 10. Agora utilizarão a força para impor sobre outros cidadãos as suas escolhas.

Infelizmente, os pais parecem felizes por poderem terceirizar parte das suas responsabilidades e entregá-las ao vovô Estado. Segundo pesquisa do Datafolha, citada pelo Estadão, 78% dos pais acreditam que a publicidade “leva as crianças a amolar os pais para que comprem os produtos anunciados”.

Não faltará trabalho para os legisladores se cada motivo de amolação infantil gerar uma proibição diferente.

O autoritarismo vem em ondas, em proibições que retiram frações da sua liberdade. São filmes com cenas ofensivas, são comediantes com piadas politicamente incorretas, são sanduíches com brinquedos, são livros eróticos demais, são lutas violentas na televisão. Qualquer coisa parece ser motivo para a retirada do poder de escolha dos indivíduos em favor das escolhas de políticos e burocratas.

Uma hora essa onda acabará por nos afogar.