Por Que O Capitalismo Vem dos Gringos, Mas A Democracia Vem da Gente?

O capitalismo é automaticamente associado aos Estados Unidos em qualquer lugar do mundo. Por que o mesmo grau de vinculação não acontece entre os Estados Unidos e a democracia? O Brasil e o resto do ocidente se tornaram as democracias que hoje são implementando cópias do modelo americano de república constitucional representativa.

Da constituição garantidora de direitos fundamentais ao processo eleitoral representativo, à divisão de poderes com seus pesos e contrapesos. Guardamos essas instituições como se tivessem sido escritas nas estrelas, em vez de ser o desfecho de uns debates entre representantes de Virginia, New Jersey e Connecticut.

Vou até dizer que os americanos merecem mais a paternidade da democracia moderna que do capitalismo moderno. Não é exagero. Britânicos e Holandeses já haviam enriquecido com um sistema largamente baseado na propriedade privada dos meios de produção quando os primeiros colonos americanos ainda faziam distribuição coletivista dos recursos.

Por que esse tratamento diferenciado? Se a difusão da democracia pelos quatro cantos é uma conquista da humanidade, por que difundir o capitalismo é visto como imperialismo americano?

Consigo pensar em algumas hipóteses:

1- A democracia surgiu com os gregos, não com os americanos.

2- Os Estados Unidos são o pais mais capitalista do mundo, mas não são o país mais democrático do mundo.

3- Por causa da guerra fria, os Estados Unidos se definiram como a potência capitalista em oposição à potência comunista da União Soviética.

4- Os americanos se percebem mais como defensores do capitalismo que da democracia.

Sobre 1, a democracia grega está para a democracia moderna como o comércio aberto dos gregos está para o capitalismo moderno (o fato da tradição comercial ateniense não ser muito celebrada é um problema relacionado). Os atenienses davam participação política direta a uma minoria de homens adultos, gregos e livres. A maior parte de Atenas não tomava decisões políticas. E os que participavam, faziam mais do que votar em uma fração minúscula de representantes. A assembléia legislativa tinha tamanho e rotatividade suficiente para que houvesse boa chance de que um cidadão exercesse mandato político de fato. Não havia senado de representação estadual, câmara de representação popular, nem suprema corte guardando a constituição. Aliás, o que eles chamavam de constituição era a organização do estado, não uma carta de direitos fundamentados em nossa humanidade.

A segunda hipótese também não se sustenta. A liderança capitalista americana existia na época em que os americanos estavam também na vanguarda da democracia. Desde que os índices de liberdade economica começaram a ser calculados, os EUA nunca chegaram no topo da lista. Hoje já não entram nem no top 10.

A distinção da 3 parece ser mais efeito do que causa. Afinal, por que a guerra fria não era vista como uma disputa entre a potência democrática e a potência comunista? O comunismo soviético era um sistema tão econômico como era político. A narrativa convencional que foca mais na diferença econômica do que política faz parte do problema que motiva minha dúvida. A 4 também confunde causa e efeito. Os americanos desde cedo defendiam a democracia constitucional. Conforme o mundo foi adotando a democracia como uma conquista humana, ela se tornou menos associada aos EUA.

Acho que a explicação está em outro lugar.

A verdade é que tanto a democracia quanto o capitalismo foram trazidos até você pelos americanos. A grande diferença no selo de origem vem da natureza da política e da economia. O discurso político precede o surgimento das instituições políticas. O capitalismo não depende de formulação discursiva.

Se eu quero uma vitória política, eu preciso elaborar o discurso da democracia. Democracias contemporâneas não são tão bem sucedidas justamente porque elas já chegam atreladas ao grupo de interesse bem sucedido na articulação do discurso democrático.

Na esfera econômica é a prática se separa da teorização. Se quero a vitória comercial, eu não preciso elaborar o discurso do capitalismo. Meu discurso se limita a te convencer do meu produto. O capitalismo nasce sem teoria, de cima para baixo.

Antes de ser adotado por outros países, a democracia constitucional também era vista como bandeira americana. Foi assim na America Latina do seculo XIX. E é assim hoje no oriente médio e no leste asiático, onde a implementação da democracia continua sendo amaldiçoada como importação cultural.

As revoluções econômicas só são percebidas depois da sua realização. Por não precisarem de justificativa, elas acabam não encontrando justificadores. São as revoluções políticas que nascem como promessas, como justificativa, independentes de seu fracasso posterior.

Alguem sugere outra hipótese?