Sanções nucleares

Duzentas mil pessoas morreram quando os Estados Unidos atacaram o Japão durante a Segunda Guerra Mundial. Nada poderia ser pior para os habitantes de um país do que serem atacados por algo tão poderoso, certo? Errado.

Por meios diretos e indiretos, o bloqueio comercial a um país causa um mal muito maior à população. Sem imagens de explosões, sem trilha sonora emotiva. Pessoas morrem em silêncio, excluídos dos benefícios do comércio (que sim, salva vidas) em razão de questões políticas.

Por sanções que buscam enfraquecer um governo, mas que apenas o fortalece e a todos o apoiam ou dele se aproximam.

Se uma bomba mata a todos, sem distinções políticas, as sanções viram uma oportunidade para o ditador do país que elas visam punir: sua família e seus aliados estarão salvos.

Aqueles que desejam sobreviver, deverão se juntar ao regime. Aqueles que permanecerem na oposição e suas famílias pagarão o preço da dissidência política.

Poucas coisas parecem dar mais fôlego a uma ditadura do que um inimigo externo que possa ser culpado pela miséria do povo, e a reafirmação de que o Estado é a única entidade que poderá proteger a nação dessa ameaça.

Vídeo produzido pela InceptionHouse, com legendas em português produzidas pela equipe do Portal Libertarianismo.