Seleção do mundo x Combinado Irã, Brasil e Turquia

A situação tem que estar muito crítica para que uma decisão do governo russo seja elogiada. A Rússia deixará suspenso o cumprimento de um contrato "de entrega ao Irã de mísseis S-300 depois da adoção de novas sanções na ONU contra o regime de Teerã".

Segundo informação da Folha:

As novas sanções devem vetar investimentos exteriores iranianos em atividades e instalações relacionadas com a produção de urânio, serão estabelecidas restrições na venda de armas convencionais ao Irã. Além disso, o país será proibido de fabricar mísseis balísticos com capacidade de carregar ogivas nucleares. Também deve haver novas restrições às operações financeiras e comerciais com o Irã, além do reforço do regime de inspeções das cargas dos navios e aviões iranianos para evitar que burlem o embargo internacional.

A votação realizada em Nova York pelo Conselho de Segurança da ONU expôs ainda mais a delicada posição do Brasil e da Turquia, que se vêem obrigados a lutar contra a comunidade internacional em defesa do Irã. O documento que definiu as sanções foi aprovado com 12 votos a favor, uma abstenção (do Líbano) e dois votos contra, justamente de Brasil e Turquia.

Se algum dia, o regime iraniano conseguir desenvolver a tecnologia e se tornar capaz de produzir armas nucleares o Brasil aparecerá com destaque no registro da história. Realmente, "nunca antes na história deste país".