Um pacto pela competitividade - de verdade!

Leio que semana passada diversas lideranças empresariais de uma ampla gama de setores estiveram reunidas com o Ministro da Fazenda Guido Mantega para firmar um "pacto pela competitividade" no Brasil.

 

"Para o presidente da Abiquim, uma necessidade, atualmente, é combater as importações desleais para estimular a produção nacional. 'Precisamos combater aqueles que fazem coisas desleais', disse. 'Hoje o câmbio melhorou bastante, mas ainda não compensa o câmbio chinês. É um problema, mas melhorou bastante', completou."

"Para o presidente da Associação Brasileira da Construção Metálica, Luiz Carlos Caggiano Santos, o dinheiro dos investimentos feitos no Brasil deve ser gasto com produtos nacionais. 'O governo tem muito investimento, muito dinheiro pra ser gasto, mas muita coisa é importada. Nossa reivindicação é que esse dinheiro que será gasto no Brasil seja gasto com empresas brasileiras', disse. 'A indústria brasileira tem condições de sobra.'

 

Além da exigência de conteúdo nacional, Caggiano faz outra sugestão: 'Talvez algum aumento de imposto de importação, já que o dólar não pode ser aumentado e está solto no mercado', disse.

'O ministro já fez muita coisa boa para nós, mas nossa indústria continua não competitiva', reconheceu. Segundo ele, o dólar 'ajuda muito', mas 'tem que ajudar mais'. Mantega disse aos empresários, de acordo com Caggiano, que as demandas serão levadas à presidente Dilma Rousseff."

Governo brasileiro se especializou nos últimos anos em quebrar as pernas do setor produtivo para, logo depois, oferecer-lhe muletas que lhe ajudem a caminhar (sem o mesmo vigor e dinamismo que o faria com suas próprias pernas). Alguns parecem gostar.

 

Governo brasileiro se especializou em quebrar as pernas do setor produtivo para depois oferecer-lhes muletas. Alguns parecem gostar.